A Grande Mentira

por Michael Eades, o original está aqui.

Tradução por Daniel Castro.

Se você contar uma mentira grande o suficiente e continuar repetindo-a, as pessoas eventualmente irão acreditar nela.*

Joseph Goebbels (à esquerda)
Ministro Nazista de Propaganda

A história de nossa raça, e de cada experiência individual, são bem costuradas com a evidência de que uma verdade não é difícil de matar, e que uma mentira bem contada é imortal.

Mark Twain, Advice to Youth

Eu sempre amei as duas citações acima por que seus sentimentos são tão precisos. É triste mas é verdade que quanto maior a mentira, mais pessoas se dispõem a aceitá-las sem questionamento.  E quanto mais pessoas aceitarem a mentira, mais fácil fica persuadir outros a se juntar à crescente multidão. Deste modo uma grande mentira se torna uma bola de neve até se tornar uma grande ‘verdade.’

Nutricionalmente eu não consigo pensar numa mentira maior que aquela que alega que gorduras em geral e gorduras saturadas em particular são ruins para nós. Esta mentira está tão arraigada nas mentes da maioria que você não poderia arrancá-la com uma banana de dinamite. Especialmente nas mentes dos acadêmicos, e mais ainda nas mentes dos nutricionistas. Nem de todos, mas da maioria. Nutricionalmente, está é verdadeiramente a Grande Mentira.

Apesar do fato que eles se agarram tenazmente à Grande Mentira, as evidências a disputam. Mas, “uma mentira bem contada é imortal.”  Em Whole Health Source Stephen Guyenet escreveu recentemente um artigo verificando dados observacionais sobre gordura saturada e níveis de colesterol e doenças cardíacas. A maioria dos devotos da Grande Mentira se preocupam obsessivamente com a ingestão de gordura saturada enquanto os dados observacionais demonstram pouco, ou nenhuma, correlação. Alguns anos atrás, eu escrevi um grande texto sobre a invalidade de estudos observacionais como prova de praticamente qualquer coisa, mas naquele texto eu não mencionei que embora tais estudos não possam demonstrar que correlação implica causalidade, eles provavelmente são válidos em demonstrar o oposto: se não há correlação, provavelmente não bases para se argumentar pela causalidade. Então, se não há muita correlação entre a ingestão de gordura saturada e níveis elevados de colesterol e/ou doença cardíaca, é duvidoso que a ingestão de gordura saturada seja causal [NT.: isto é, que ela cause doenças cardíacas].

Eu recentemente tropecei num artigo – um editorial de pesquisa, para ser correto – no Journal of the American Dietetic Association (JADA) que, se eu já não tivesse uma relação estreita com Jameson, me levaria a beber. De fato ele provavelmente me levou a beber um pouco a mais. Agora o JADA é o jornal editado e escrito por nutricionistas registrados, e, como consequência, tem um estilo de Pesquisa e Desenvolvimento de produtos em termos de conteúdo. Ele geralmente segue a linha low fat, high carb, mas de vez em quando publica alguns artigos sobre aspectos da dieta low carb. O artigo particular que causou minha ardência no coração é intitulado Low-Glycemic Load Diets: How Does the Evidence for Prevention of Disease Measure Up?

O artigo me incomodo em muitos níveis, o primeiro dos quais é que ele cita o índice glicêmico (IG) e carga glicêmica (CG). Eu já escrevi previamente sobre porque eu não acredito que o índice glicêmico seja um modo particularmente válido de caracterizar carboidratos. E eu não creio que o conceito de carga glicêmica seja muito melhor. O que está errado em simplesmente contar carboidratos? Isto provê mais benefícios e não encoraja o consumo de frutose, um açúcar perigoso com um baixo índice glicêmico.  O motivo pelo qual o índice glicêmico e a carga glicêmica foram tão adotados pela comunidade acadêmica é porque ela não pode admitir que uma dieta low carb é simplesmente superior para perda de peso, controle de lipídios, redução da pressão arterial, estabilização da glicose no sangue, melhoras de problemas de refluxo estomacal etc. do que sua amada dieta low fat. Então ao invés de terem caráter e admitirem que estavam errados pelos últimos 40 anos, eles embrulham a venerável dieta low carb em baboseiras que soam acadêmicas e a chamam de dieta da carga glicêmica e esperam que ninguém perceba o subterfúgio.

É perfeitamente aceitável conversar sobre benefícios à saúde de dietas com pouca carga glicêmica sem ter ninguém dizendo que você vai ferrar seus rins. Ou que você poderá perder peso, mas vai entupir as suas artérias. Não, a dieta da baixa carga glicêmica é perfeitamente inócua em qualquer companhia. Nenhum acadêmico pomposo vai ter encher o saco se você usar a palavra “glicêmico(a)”. Tente usar o termo ‘low-carb’ nos salões acadêmicos, porém, e você poderá receber alguns olhares hostis.

O autor do ‘editorial de pesquisas‘ vai falando sobre alguns estudos que investigaram a eficiência de dietas com baixa carga glicêmica na prevenção de diabetes tipo 2, e outros problemas metabólicos em indivíduos saudáveis. Todos os estudos discutidos tinham vários problemas: não grandes o suficiente, não duraram o suficiente, questionários dietários deficientes etc.. Dados os resultados chocos que eles descrevem, o artigo então termina numa nota bizarra.

Apesar das limitações dos estudos disponíveis, há uma evidência crescente que dietas com baixa carga glicêmica podem prevenir diabetes, doenças cardiovasculares, alguns cânceres, incluindo câncer endometrial e adenocarcinoma esofageal.

O quê?

Isso, cada uma dessas alegações é sustentada por uma citação ou duas. Parece-me que tal ‘editorial de pesquisa’ seria muita mais interessante e significativo se ele focasse nos resultados desses estudos, ao invés dos estudos que ele focou.

Apesar disso, o autor vai em frente (e essa é a parte que realmente me incomoda):

À luz dessas descobertas, aderência à uma dieta de baixa carga glicêmica, desde que de acordo com as atuais recomendações dietárias incluindo aquelas relacionadas à ingestão de gordura e controle de porções, parece prudente. [destaque do Michael Eades]

Ah, a Grande Mentira mostra sua cabeça temível. Não importa o quão bem a dieta funciona ou quais doenças ela pode prevenir, nós não devemos segui-la a menos que sigamos também aquelas recomendações sobre a gordura. Não senhor.

Vocês pensam que o autor dessas bobagens realmente pensou sobre de que comida é feita? Parece improvável.

Comida é feita de gordura, proteína e carboidratos. É isso. Ela também contém água, vitaminas, minerais, e outros nutrientes, mas somente a gordura, carboidratos e proteína provém calorias. E quando a dieta é construída dessas coisas – especialmente uma que leva em conta controle de tamanho de porções – trocas devem ser feitas.

Se você mantiver os níveis de calorias, e diminuir um dos componentes, você terá de aumentar um dos outros dois. Vamos olhar a como o cérebro de um lipofóbo olharia para isso. Okay, precisamos cortar a gordura, então é a primeira coisa que faremos. Cortaremos a gordura e realmente cortaremos a gordura saturada. Mas agora teremos de aumentar as calorias, então aumentaremos carboidratos de baixo índice glicêmico para isso. Mas, uh oh, quando adicionamos tantos carboidratos, mesmo sendo de baixo índice glicêmico, nós aumentaremos a carga glicêmica. Nós não podemos realmente fazer isso se quisermos prevenir todas aquelas doenças. Nós aumentaremos a proteína. Mas, espere, não podemos aumentá-la demais, se não causaremos danos aos rins. (Um mito, claro, mas todos acreditam nele.) E é difícil aumentar a proteína sem aumentar a gordura, porque a maioria das boas fontes de proteína contém gordura, e mesmo, Deus nos livre, gordura saturada. Então se aumentarmos a proteína, aumentamos a gordura. Mas a gordura é o demônio disfarçado, ah sim, ela é; ela é o demônio disfarçado. Não podemos contestar isso.

Vocês vêem o que quero dizer. Se você for um lipofóbo, não há solução. Isto poderia ser chamado de o Conundrum do Lipofóbo. E é por isso que fico feliz por não ser um lipofóbo, então não tenho de me preocupar com isso. Eu não comprei a Grande Mentira. Tudo que preciso é cortar os carboidratos e deixar o resto cuidar de si mesmo.

*Abaixo está a citação de Goebbel na íntegra. É interessante notar que as ideias dele ainda estão vivas e sendo usadas por nossos próprios políticos.

“Se você contar uma mentira grande o suficiente e continuar repetindo-a, as pessoas eventualmente irão acreditar nela. A mentira pode ser mantida somente durante o tempo que o Estado puder isolar as pessoas das consequências políticas, econômicas e/ou militares da mentira. Então se torna vitalmente importante para o estado usar todos os seus poderes para reprimir a dissenção, pois a verdade é a inimiga mortal da mentira, e assim por extensão, a verdade é a maior inimiga do Estado.”

Anúncios
Esse post foi publicado em Ciência, Nutrição, Saúde e marcado , , , , . Guardar link permanente.

2 respostas para A Grande Mentira

  1. Eusebio Souza Donovan disse:

    Cara apenas uma colocação: por favor nunca pare este blog. Mesmo quando você vier a morrer, dá teu jeito!

    Conteúdo irretocável. Grande abraço.
    Eusébio.

    • Daniel Castro disse:

      O WordPress não havia me notificado sobre seu comentário, Eusébio, por isso não te respondi antes. Agradeço às palavras de incentivo, pretendo até no máximo amanhã publicar um texto do Ludvig Sunstrom sobre capitalismo.

      Durante a maior parte do ano estive com o foco em torneios de xadrez, pretendo aumentar novamente a frequência de postagens daqui para frente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s