Como entender e usar o poder da mudança incremental (e por que a maioria das pessoas não faz isso)

por Ludvig Sunström, tradução de Daniel Castro. O original está aqui.

incremental changeEu muitas vezes tive o azar de ficar preso na mesma sala com moscas irritantes.

Isto realmente me incomodava. . .

. . .Até que eu aprendi um método realmente esperto de matar aquelas bastardas.

E ele funciona perfeitamente todas as vezes.

O quê? Você quer conhecer o meu método?

Ok, claro. Vou te contar. Não é um grande segredo.

Para se tornar bom em matar moscas você deve pensar como um ninja: Você não pode deixá-las te verem se aproximando. Isto pode parecer difícil, uma vez que moscas têm um ângulo de visão de 360 graus.

Mas na verdade isso não é difícil — é na verdade muito simples.

Você deverá fazer o seguinte:

Você pega um jornal— ou outra coisa para esmagar a mosca — e você a move muito lentamente, incrementalmente, em direção a ela. E então, quando você estiver a poucos centímetros dela, você avança com o objeto em direção a ela e a esmaga.

Elas nunca percebem, nem mesmo a mais rápida e safada das moscas. Eu prometo, elas não têm chance contra você se você usar este método. Você sabe por quê?

É porque as moscas não entendem. . .

O conceito de Mudança Incremental.

Os cérebros delas não são complexos o suficiente para percebê-la. Eles somente reagem a mudanças súbitas — movimentos com uma velocidade crescente que vai além de sua base sensorial.

Insetos têm somente aproximadamente 100.000 células em todo o seu sistema nervoso. Humanos, porém, têm bilhões delas somente em seus cérebros.

Então, se eu quisesse te matar (não que eu fosse, eu sou um cara legal) e pegasse uma faca e tentasse usar meu método de matar moscas, você provavelmente iria somente rir de mim.

Porém. . .

Enquanto insetos — com sua capacidade cerebral limitada — não podem sentir a mudança incremental no curso de alguns segundos. . .

. . .A maioria dos humanos não podem senti-la no curso de minutos, horas, dias e anos.

Por que é assim?

Seria por que nossos cérebros não prestam?

Bem, na verdade não.

Nossos cérebros não necessariamente “não prestam”. Eles funcionam bem considerando para o quê eles foram usados até recentemente.

Nossos cérebros fazem aquilo para o qual eles foram afinados para fazer durante a evolução, através do processo Darwiniano de seleção natural.

O problema é que o mundo mudou muito nos últimos poucos milênios — mas nossos cérebros NÃO.

A cultura e a tecnologia evoluem MUITO mais rapidamente que nossos genes (e cérebros) evoluem.

Uma coisa é dizer isto, outra coisa é realmente entender as implicações deste assunto. Então, vamos colocar as coisas em perspectiva, certo?

Vamos revisar a história da raça humana em menos de um minuto

  • Humanos existem há 4/7 milhões de anos.
  • A raça humana gastou a imensa maioria de sua história como caçadores-coletores. Foi neste ambiente que nossos cérebros evoluíram.
  • Homo sapiens — que é o que eu e você somos — apareceram por volta de 200.000 anos atrás. Nós somos a última espécie humana sobrevivente. Hobbits foram a última espécie humana a se extinguir.
  • Há 10.000-12.000 anos nós inventamos a agricultura. Isto levou a um declínio do estilo de vida caçador-coletor e tribal. As pessoas começaram a ficar sedentárias ao invés de viverem como nômades.
  • Daí por diante até cerca de 2.000 anos atrás nós nos tornamos melhores em produzir comida, e a sobrevivência ficou mais fácil. Nós criamos comunidades que eventualmente cresceram para vilas, pequenas cidades, e às vezes até mesmo grandes cidades.
  • Então nos últimos 400 anos nós vimos um rápido progresso tecnológico, especialmente durante a revolução industrial. As cidades cresceram de tamanho tremendamente. Tóquio tem hoje 13 milhões de habitantes e Nova York tem 8,5 milhões.
  • Nós vivemos em uma sociedade da informação desde cerca de 1980. E a velocidade da progressão tecnológica está aumentando — o mundo está mudando mais rapidamente do que nunca.

We are now knowledge workers living in the information society

Vamos falar um pouco sobre a sociedade da informação.

Aqui está a definição da Wikipedia (em inglês) de uma sociedade da informação:

Uma sociedade da informação é uma sociedade onde a criação, distribuição, uso, interação e manipulação da informação é uma atividade econômica, política e cultural significante. A meta da sociedade da informação é ganhar vantagens competitivas internacionalmente, usando a tecnologia da informação (TI) de um modo criativo e produtivo.  A economia do conhecimento é sua contrapartida econômica, através da qual riqueza é criada através da exploração econômica do entendimento.

Então, o principal ponto aqui é que para prosperarmos na sociedade da informação, precisamos sermos bons em lidarmos com muita informação. Precisamos sermos bons em aprendermos coisas. Precisamos entender o que a informação significa – e como usá-la.

Ou como o economista Tyler Cowen diz em seu livro Average is Over:

Quanto mais informação existe, maiores serão os retornos de simplesmente estarmos dispostos a sentarmos e nos aplicarmos. A informação não é escassa; é a disposição para fazer algo com ela que é.

E “fazer algo” requer o quê? Força de Vontade. Motivação. Um objetivo.

Mas, espere.

Existem outros aspectos da sociedade da informação que eu “esqueci” de mencionar.

. . . Por exemplo, existem novos tipos de comportamento como:

  • Gastar muito tempo dentro de edifícios — em cubículos e coisas do tipo
  • Sentar em frente de computadores
  • Usar smart phones — com acesso ilimitado à Internet
  • Receber mensagens de texto e e-mail
  • Ter acesso ilimitado a mídias sociais
  • Ter acesso ilimitado a pornografia

E outras maneiras de receber gratificação instantânea.

Claro, você sabe disto tão bem quanto eu.

A questão então se torna. . .

Você acha que nossos cérebros se adaptaram a isso?

Eu te digo: Nos 34 anos em que estivemos na sociedade da informação, de modo algum poderiam nossos cérebros terem se adaptado a essas coisas!

Mas a coisa mais apavorante é que a maioria das pessoas não refletem sobre nada disto. Nem mesmo sobre as redes sociais nas quais eles alegremente gastam desperdiçam diversas horas por dia.

Redes sociais viraram o mundo de cabeça para baixo. Por isso, a vida da maioria das pessoas mudou dramaticamente nos últimos 10 anos; o modo que negócios e propagandas são feitas mudou. A maneira como nos conectamos com as pessoas mudou E muito mais…

Mas ainda assim, a maioria das pessoas sequer pensa nisso. Por que?

É, eu acho que você consegue adivinhar a resposta agora. É porque estas coisas — estes progressos tecnológicos — aconteceram incrementalmente durante um período de tempo extenso.

E por natureza, nossos cérebros NÃO são feitos para entender tais coisas; da mesma maneira que a mosca não entende que o jornal está indo em direção a ela até que seja tarde demais — e está com seus intestinos espalhados em minha parede A questão é…

Você é mais inteligente que uma mosca?

Sim?

Assim espero.

Porém, mesmo que humanos sejam inteligentes o suficiente para não cair no método de matar moscas nós às vezes seremos enganados por métodos um pouco mais avançados que operam com o mesmo processo fundamental — o processo da mudança incremental.

Por exemplo. . .

. . .O mágico David Copperfield inventou um truque famoso para fazer a Estátua da Liberdade desaparecer. Ele colocou um grupo de observadores sobre uma plataforma. E logo à direita deles estava a Estátua da Liberdade, situada entre duas pilastras. Copperfield então colocou uma divisória entre os dois pilares para bloquear a visão da Estátua da Liberdade por um ou dois minutos.

Quando ele removeu a divisória, os observadores não podiam mais ver a Estátua da Liberdade.

Ela havia “desaparecido”.

Como ele fez isso?

David Copperfield's
David Copperfield “desapareceu” com a Estátua da Liberdade ao incrementalmente rotacionar a plataforma, até que ela estivesse bloqueada do campo de visão por uma pilastra

Copperfield havia colocado os observadores em uma plataforma estacionária, que foi então rotacionada em uma velocidade abaixo do mínimo que podia ser percebido.

Os observadores não sentiram que a plataforma estava sendo rotacionada 45 graus para o lado– porque isto aconteceu incrementalmente. Quando Copperfield removeu a divisória a Estátua da Liberdade tinha “sumido”. Ela estava então bloqueada por uma das pilastras.

Truque bem legal, certo?

Falando em mágica. . .

Outro cara que eu considero realmente legal e carismático, e alguém que sabe usar o processo da mudança incremental. . .

É o ilusionista David Blaine

David Blaine recentemente aperfeiçoou um truque em que ele enfia uma agulha através de seu braço (conforme visto no vídeo abaixo).

Como diabos ele faz isso?

Qual é o truque?

O truque é que. . .

. . .Não há truque!

Ele realmente está fazendo isso.

Mas como ele consegue através um objeto afiado através de sua mão ou braço sem sangrar, ou chorar de dor?

Bem, a razão que não sangra é porque David fez um scan de ressonância magnética 12 anos atrás para achar o ponto perfeito. Ele então praticou com agulhas de acupuntura nesses lugares por alguns anos. [Pare um segundo para imaginar o tanto que ele queria realizar esse truque para fazer isso tudo.]

Eventualmente, quando as agulhas de acupuntura ficaram muito fáceis para ele, ele começou a usar objetos mais afiados, e começou a empurrar mais fundo. Até conseguir através sua mão/braço.

Eventualmente ele produziu tecidos cicatrizados em todo o seu braço e mão nestes lugares específicos — algo como uma membrana permeável — que ele pôde então usar para enfiar objetos afiados através deles.

David realmente tem orgulho desse truque.

E a razão disto é que todo mundo pensa que é “mágica” — quando não é.

As pessoas não conseguem explicar o que está acontecendo. Então elas ficam imaginando. . .

. . .Como ele fez aquilo?

E a maioria deles simplesmente não consegue descobrir, mesmo que a resposta esteja na cara delas.

Simplesmente não entra na cabeça deles que alguém talvez se sentasse por anos praticando se furar com objetos pontiagudos. Isto é muito bizarro.

Mas, mais importantemente, a razão pela qual eles não conseguem descobrir isso é porque eles não estão familiarizados com o processo de mudança incremental. E isto é normal. O cérebro — por natureza — não entende a mudança incremental.

Mas ele pode aprender a entendê-la — e começar pensando em seus termos — através da prática. Ao praticar o quê, você pergunta?

Duas coisas:

1) Você deve regularmente praticar o pensamento e a imaginação de longo prazo.

Por exemplo ao se mentalmente projetar no futuro e:

  • Imagine-se tendo 70 anos e se aconselhando.
  • Imagine o que a sua vida será daqui a 1, 5, 10, 30 anos daqui para diante — caso você faça alguma coisa específica.
  • Imagine-se muito mais velho, olhando de volta para a sua vida, e pensando sobre aquilo que você mais se arrepende nela.

2) Você deve praticar colocar as coisas em perspectiva.

Estudar história é uma boa maneira de fazer isto. A razão para você querer colocar as coisas em perspectiva é que isto te dá um ponto de referência que você poderá usar para comparar as coisas com.

Nossos cérebros são feitos para compararmos coisas, e sem colocá-las em contraste umas com as outras, nós não reparamos em mudanças. Este é o motivo pelo qual anotar seus resultados ou tirar fotos é uma boa ideia.

Vamos pegar um exemplo que dei antes sobre a história humana e colocá-lo em perspectiva ao quantificá-lo. Nós assumimos que a espécie humana existe há cerca de 4 milhões de anos:

Isto significa que humanos gastaram mais que 99% de sua história evolutiva em um ambiente de caçadores e coletores. Se comprimirmos estes 4 milhões de anos em 24 horas, e a história da humanidade tiver começado à meia noite, a agricultura apareceu na cena 23 horas e 55 minutos depois.

–Peter Bevelin, Seeking Wisdom

Vamos dar um passo adiante considerando o quanto de tempo vivemos em uma sociedade da informação. Quanto tempo estes 34 anos seriam, em termos da analogia das 24 horas?

Seriam 5,1 segundos!

Você acha que este tempo é suficiente para que nossos cérebros tenham se adaptado à Sociedade da Informação?

É. . .

Talvez. . .

Não!

5,1 segundos não são NADA. De modo algum nossos cérebros se adaptaram à sociedade da informação.

Em outras palavras, existe um grande problema acontecendo aqui — e este problema é que. . .

. . .Nossos cérebros NÃO se encaixam na sociedade moderna.

Não naturalmente pelo menos.

Se você quiser crescer além disso — praticando níveis maiores de pensamento — então isto cabe a você.

Ninguém irá te ajudar a pensar a longo prazo. Ninguém irá colocar as coisas sob perspectiva para você.

Conforme você sabe, a maioria da sociedade está inclinada para a gratificação instantânea. . .

. . .E crescer além disso — e começar a pensar diferentemente de outras pessoas – pode ser bem solitário às vezes.

Tenho certeza que você sabe disto também.

Certo.

Em frente.

Vamos dar uma olhada em um par de grandes áreas onde a mudança incremental é usada. Começando com. . .

Políticas, Poder, e Liberdade

Você já ouviu alguém dizer que se você colocar sapos na água e aquecê-la, eles irão eventualmente se deixar cozinhar até a morte?

Isto porque supostamente sapos não conseguem sentir a mudança incremental na temperatura.

Bem, não acredite em tudo que você escutar. Isto não é verdade.

Mas, ainda assim é uma história memorável para explicar um aspecto da mudança incremental.

E se você olhar para a história, em uma dada cultura onde um grupo de pessoas chegou ao poder, usualmente aconteceu de maneira incremental.

A Alemanha Nazista é um bom exemplo disto. Quando as pessoas olham para a Segunda Guerra Mundial, sua questão mais comum é: Como as pessoas poderiam permitir que os Judeus fossem tratados daquela maneira!?

E bem, você sabe a resposta a isso agora. . .

. . .Porque aconteceu incrementalmente.

Os Nazistas não simplesmente acordaram um dia e disseram: Vamos exterminar os Judeus. Custou a eles vários anos influenciando negativamente a percepção pública sobre os Judeus antes que eles conseguissem tratá-los do jeito que os trataram depois.

A ordem de eventos foi algo assim. . .

Os Nazistas começaram culpando os Judeus por tudo que estava errado, então tornaram mais difícil aos Judeus entrar nas universidades, então eles criaram um boicote nacional aos Judeus, então eles começaram a confiscar seus pertences, e finalmente eles começaram a transformá-los em escravos e a colocá-los em campos de concentração.

The Nazis (Hitler & Goebbels) came up with the idea to boycott Jewish goods, after they had

Nada disso aconteceu de repente.

A lição é esta:

Você não retira os direitos ou a liberdade de alguém da noite para o dia.

Mas você pode fazer isto ao longo de um período de tempo maior. Incrementalmente. Em passos minusculamente imperceptíveis.

Todos os políticos espertos sabem disto — eles sabem que as pessoas não entendem o processo de mudança incremental.

Políticos espertos sabem que a maioria das pessoas têm a memória de uma formiga, com pouca habilidade de fazer qualquer tipo de raciocínio a longo prazo, e que elas não estudam história.

Marcas e Propagandas

Você provavelmente não pode me dizer de cabeça todas as 100 maiores marcas do mundo — pelo menos não de cabeça.

Mas você provavelmente poderia reconhecê-las se você olhar para seus logos.

Por que isto é assim?

É porque grandes companhias gastaram quantidades incríveis de dinheiro em propagandas no curso de vários anos. Você inconscientemente se expôs a elas desde que era uma criança.

Companhias fazem isto porque elas querem te dar um sentimento de familiaridade. E se elas fizerem um bom trabalho nisto, a marca delas poderá se tornar parte de seu número de Dunbar e identidade. Como você sabe, existem muitas pessoas que se identificam como “fãs da Apple”.

Mas, e se uma grande marca decidir mudar seu logo?

Bem, se elas forem espertas, elas irão fazer isto incrementalmente. Muito vagarosamente, fazendo mudanças muito pequenas a cada ano. Se eles fizerem um bom trabalho, você nem perceberá a mudança.

E se eles não fizerem um bom trabalho?

Então eles terão feito um mal trabalho. (Desculpem-me, não consegui evitar)

Não, mas seriamente. . .

. . .Se eles fizerem um mal trabalho — então eles irão completa e subitamente mudar o seu logo além de qualquer possibilidade de reconhecimento.

O que significa que a maioria dos efeitos positivos a longo prazo que eles ganharam de anos investindo em propagandas foram pelo ralo.

Coca Cola have changed their logo incrementally, over the period of many years.

Vamos olhar para a Coca Cola. Eles entendem este aspecto da mudança incremental melhor que qualquer um. Eles fizeram mudanças incrementais em seu logo ao longo de um período de tempo grande.

Isto foi esperto da parte deles.

Mas, a Coca Cola não foi esperta o suficiente para entender outro aspecto da mudança incremental quando eles. . .

Mudaram o sabor para a New Coke!

Grandes companhias alimentícias e de bebidas com a Coca Cola gastam enormes quantias de dinheiro para criar novas fórmulas e sabores. Para que eles possam colocar químicos e aditivos potentes que têm um gosto muito melhor do que o dos ingredientes naturais. Por que elas fazem isto?

Bem, primeiro porque é mais barato do que comprar ingredientes de verdade. Mas mais importante, eles querem que seus produtos sejam o mais viciantes e estimulantes possível, e é por isso que eles sempre enchem seus produtos com coisas como cafeína e açúcar.

A partir do momento em que você se acostuma a beber uma bebida não alcoólica como a Coca, fica difícil parar porque, além do fato de ela ser fisicamente viciante, seu cérebro forma vários tipos de associações positivas com a bebida. Você liga estas associações com a marca da Coca Cola, e com o sabor da bebida.

Então, quando estas companhias descobrem um novo saber que tem um gosto realmente bom, e é melhor que tudo o mais que fora comparado com, eles deveriam trocar o sabor antigo?

Sim?

Foi isso que a Coca Cola raciocinou em 1985 quando eles decidiram usar o novo sabor — New Coke.

Mas isto se revelou ser um ENORME erro. . .

. . .Que causou um pequeno desastre nacional. Só pense nisto: imagine que você tem milhões de pessoas viciadas em seu produto, que elas consomem várias vezes ao dias, e então — subitamente — sem avisos, você o tira deles!

Má ideia.

Pessoas não gostam quando você muda as coisas muito rapidamente.

Elas também não gostam quando você tira coisas delas com as quais elas se familiarizaram — ou até tenham se viciado nelas.

Então este foi um mal lance da Coca Cola. . .

. . .E fazendo isto, eles também cometeram outro grande erro: Eles perderam todas as associações psicológicas positivas que eles haviam criado e ligado ao sabor antigo.

Eles perderam seu senso duramente conquistado de familiaridade, com o qual eles haviam gasto bilhões de dólares.

Eles entraram em pânico e rapidamente voltaram a usar o velho e familiar sabor de novo.

Se eles houvessem feito a mudança incrementalmente, as pessoas não haveriam percebido nada.

Pontos chaves para entender e usar a mudança incremental

Neste artigo eu quis dar a você um entendimento de quão poderoso o conceito da mudança incremental é — e quão ampla é sua aplicação — e porque a maioria das pessoas não o entende.

Resumo:

  • Por 99% do tempo em que humanos existem nós vivemos em uma sociedade de coletores e caçadores. Nossos cérebros se desenvolveram neste ambiente.
  • Hoje nós vivemos em uma sociedade da informação, e nossos cérebros não foram feitos para este ambiente.
  • Por várias razões psicológicas, o cérebro humano tem problemas em entender o conceito da mudança incremental.
  • Nossos cérebros NÃO entendem o conceito de mudança incremental naturalmente. Níveis superiores de pensamento são necessários, e isto requer prática.

A maneira de se tornar um pensador melhor — e entender o conceito da mudança incremental — é regularmente praticar:

  • Colocar as coisas em perspectiva (por exemplo ao estudar história ou quantificar coisas)
  • Usar sua imaginação o máximo possível
  • Praticar o pensamento a longo prazo e se projetar no futuro (por exemplo ao pensar em seu legado)

E não pense que tais coisas não se aplicam a você — porque elas se aplicam.

Da próxima vez, eu vou mostrá-los uma das maneiras mais poderosas de usar a mudança incremental para melhorar seu desenvolvimento pessoas e se tornar mais motivado.

Falamos-nos em breve.

Questões:

Você conhece maneira úteis de pensar a longo prazo ou de colocar coisas em perspectiva?

Você tem bons exemplos práticos de mudanças incrementais?

Anúncios
Esse post foi publicado em Desenvolvimento pessoal e marcado , , , , . Guardar link permanente.

6 respostas para Como entender e usar o poder da mudança incremental (e por que a maioria das pessoas não faz isso)

  1. Hey Daniel,
    Thanks for taking the time and effort to translate the article!

    • Daniel Castro disse:

      Hi, Ludvig,

      I am the one that should be thanking you for your amazing article(s). Since i’ve read about 95% or so of them, more of them shall be translated in the future.

      Oh, please excuse me for the misplaced umlaut in your surname, I’ll correct it.

  2. Pingback: Como se tornar uma máquina de ímpeto: Combine princípio psicológicos poderosos para melhorar a motivação, construir autoestima, e ser um vencedor | Nuvem de giz

  3. Pingback: Como eu fiquei definido em 2 anos seguindo estes 13 princípios | Nuvem de giz

  4. Pingback: Como escrever seus objetivos para o ano novo | Nuvem de giz

  5. Pingback: Melhore 1% a cada dia: o Caminho para o auto-aperfeiçoamento Kaizen | Nuvem de giz

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s