A Soja é o Diabo, mas não no bom sentido

 Este é mais um texto do recordista mundial de powerlifting e completamente insano Jamie Lewis, desta vez sobre uma das piores coisas que são chamadas de comida, isto é, a soja:

(Atualização: A parte 2 está aqui)

por Jamie Lewis

A mitologia do Diabo é na verdade bem fascinante. Eu não vou gastar uma hora relembrando a etimologia da palavra Satã, o conceito histórico do Diabo, ou a demonologia panteística, mas te garanto, essas coisas são extremamente interessantes. Se você pesquisar, vai descobrir que o Diabo representa o mal puro. Através de todas as religiões mediterrâneas desde o antigo Egito, porém, existiu uma energia malevolente ou deus com a qual as pessoas desde então tem se preocupado. Inumeráveis métodos foram tentados para nos livrarmos desse mal, desde exorcismos passando pela guerra santa até uma quantidade enorme de rezas. Eu não estou propondo nada disto, mas somente te informando sobre um mal muito maior do que a entidade que é convencionalmente chamada de Diabo.- Eu estou falando da soja. Talvez um exorcismo ajudasse? Provavelmente não, mas alguns executivos da Ralston-Purina e da DuPont poderiam talvez ser esfaqueados.
O diabo, no bom sentido.

Para aqueles que ainda não sabem, existe atualmente uma pressão enorme para incorporar a soja à nossa dieta, alegadamente devido aos efeitos mágicos da soja sobre a nossa saúde. Aparentemente dizendo que nossa dieta é escassa em soja e que os chineses e japoneses podem voar, viver até os 200 anos de idade, e nunca ter câncer devido a sua constante inalação de soja, vários grupos de pressão fundaram estudos alegando que este feijão tem propriedades mágicas. Isto, é claro, é um monte de merda.

  1. Americanos comem muito mais soja, per capita, do que qualquer outro povo da Terra.  Em 2005, Americanos comeram 25.261.750 toneladas de soja. Isto é o equivalente a 77 quilos por ano, por pessoa.  Os chineses, em comparação, comeram apenas 35 quilos por ano, por pessoa. Isto é totalmente retardado.(Swivel, para a soja e Wikipedia para a população, são as fontes)
  2. De acordo com o ativista da saúde Joseph Mercola, a soja pode aumentar o risco de câncer de mama em mulheres, danos cerebrais tanto em homens quanto mulheres e anormalidades em crianças, contribuir para desordens na tireoide (principalmente em mulheres), promover pedras renais, enfraquecer o sistema imunológico e causar alergias alimentares graves e potencialmente fatais. (Mercola)
  3. A soja contém isoflavonas, hormônios vegetais que causam um efeito estrogênico no corpo (elas imitam as ações do estrogênio, que reduz os níveis de testosterona e inibem a hipertrofia muscular). (Nutrient Timing, 128)
  4. Mudanças biológicas nas funções dos órgãos sexuais, sistema nervoso central e tireoide são atribuíveis às isoflavonas de soja. A soja também contém ácido fítico, um anti-nutriente que bloqueia a absorção de cálcio, zinco e magnésio. Baixos níveis de zinco tira o equilíbrio dos níveis de cobre, a altos níveis de cobre podem diminuir a função da tireoide. (Crazy Makers, 81-82)
  5. Muitos feijões contêm compostos tóxicos para dissuadir animais de comê-los e a soja não é diferente. A soja crua contém antienzimas, hemaglutinina, fitatos e goitrogênios, que têm efeitos variados nas pessoas baseados em sua individualidade biológica, mas são tóxicos de qualquer maneira. (Neanderthin, 56)

O gato cético está cheio de ceticismo

Eu sei que agora, metade vocês está rindo dessas alegações, tendo comida soja durante todas as suas vidas, e enormes quantidades dela. Mas antes que você fique muito arrogante, pense nisso- Americanos (NT.: e brasileiros também) estão mais gordos, com menos libido, mais fracos e mais patéticos do que nunca, e nós estamos comendo uma quantidade de soja sem precedentes.

Por que estamos comendo tanta soja? Porque o agronegócio está cheio de filhos da puta que te odeiam, e eles enchem o bolso de políticos que também te odeiam e procuram meio de te deixar mais dependente deles, para que eles possam fazer o que políticos fazem um pouco mais rapidamente. De acordo com Joseph Mercola, a soja começou a ser vendida nos EUA em 1913, e era listada pelo Departamento de Agricultura Americano como um produto industrial ao invés de comida. (Mercola) Embora a soja tenha sido introduzida nos EUA uns duzentos anos antes disso, ela realmente não tinha muita importância e foi escolhida por ninguém menos que Henry Ford como um super-feijão para a manufatura principalmente de plásticos e têxteis- Ford se gabava que dois fardos de soja eram usados em cada carro que ele vendia, e ainda usava um terno feito de falsa seda (feita de soja) diariamente. Mas essa fibra nunca “pegou”, tendo sido vencida pelo nylon da DuPont, mas ela ilustra o fato de que a soja era inicialmente considerada para o uso industrial. A experiência de Ford com leite de soja eventualmente levou ao uso da soja como comida de animais, difundido pela Ralston-Purina, devido em grande parte ao fato de que a soja é incrivelmente barata de se plantar e processar.

Gostosas suecas de 18 anos de idade poderiam chutar a bunda da maior parte dos americanos.

Conforme o tempo passou, e a soja fez sua transição gradual para dentro da dieta americana, a indústria da soja recebeu uma bela ajuda dos achados do Clube de Roma, um think tank global que tem o foco em questões políticas, e deseja “agir como um catalizador global pela mudança através da identificação e análise dos problemas cruciais enfrentados pela humanidade e da comunicação de tais problemas aos mais importantes tomadores de decisão tanto públicos quanto particulares, assim como do público geral.” (Wikipedia) O Clube produziu seu trabalho seminal em 1972, chamado os Limites do Crescimento, que era essencialmente uma previsão sombria de que as sociedades industrias da Terra iriam colapsar sob seu próprio peso, combinado com a escassez de petróleo e comida. Este livro era uma sequência da teoria da catástrofe Malthusiana de Thomas Malthus, que “originalmente previu um retorno forçado a níveis de vida de subsistência uma vez que o crescimento populacional ultrapassasse a produção agrícola,” e levou a uma variedade de trabalhos de ficção distópica que foram bem recebidos e conceituados. Os dois trabalhos mais conhecidos neste gênero eram o Sementes Malditas, de Anthony Burgess, e Make Room! Make Room! de Harry Harrison, ambos descrevendo uma Terra futura sofrendo com um excesso de população. Ambos eram fantásticos, por sinal, se você gostar de ficção distópica, o livro de Harrison foi adaptado para o cinema como o épico Soylent Green. A partir de trabalhos como esse, as pessoas pegaram a noção de que a carne seria impossível de ser adquirida ou inacreditavelmente cara (veja qualquer romance de ficção científica dos últimos 30 anos para você ter uma evidência disto) e quase todos profetizaram que a soja seria a carne do futuro.

Em O Grande Anjo Negro, Dolph Lundgreen nos protege de um alien maligno que provavelmente ama a soja.

Estas tendências facilitaram para companhias como a Ralston-Purina e a DuPont aumentar suas produções de soja e subornar absurdamente os políticos americanos. Os políticos, sacos de merda gananciosos sem alma que eles são, eventualmente mudaram o sistema de avaliação das proteínas para fazer com que a soja parecesse boa, o que permitiu a essas companhias fazerem alegações ridículas sobre a biodisponibilidade da soja. (Body Opus, 76) Lobistas são a razão pela qual existem tantos sistemas de avaliação de proteína, não cientistas. Por sinal, existem os seguintes sistemas de avaliação de proteínas:

Valor Biológico [Biological Value (BV)]
Utilização Líquida de Proteína [Net protein Utilization (NPU)]
Proporção de Eficiência Proteica [Protein Efficiency Ratio (PER)]
Equilíbrio de Nitrogênio [Nitrogen Balance (NB)]
Disgestibilidade Proteica [Protein digestibility (PD)]
Índice de Disgestibilidade Proteica Corrigido por Aminoácidos [Protein Digestibility Corrected Amino Acid Score (PDCAAS)]

Somente usando o Valor Biológico, você pode ter dois rankings diferentes para a proteína, um dos quais coloca a soja no mesmo nível que whey protein em questão de biodisponibilidade, e outro que a coloca em aproximadamente 3/4 também da whey.  PDCAAS é o método mais novo, e assim coloca a soja em pé de igualdade com ovos, whey e caseína, enquanto o método Utilização Líquida de Proteína, um dos mais antigos, coloca a whey (proteína do soro de leite) com uma pontuação de 92 e a soja com 61.  Suspeito? Eu com certeza estou.

Na próxima- Seria a soja capaz de fazer o pau de homens e fazê-los crescer tetas, e irá a soja fazer as mulheres ainda mais femininas?  Estudos demonstram que ela pode…

Outra foto da garota acima- Sarah Bäckman, campeã Sueca de queda de braço, e que além de ser extremamente gostosa poderia arrancar seu braço e te espancar até a morte com ele, se ela tivesse razão para isso.
Anúncios
Esse post foi publicado em Nutrição, Saúde e marcado , . Guardar link permanente.

6 respostas para A Soja é o Diabo, mas não no bom sentido

  1. Diego disse:

    enquanto o método Utilização Líquida de Proteína, um dos mais antigos, coloca a soja com uma pontuação de 92 e a soja com 61.
    A soja com 92 e com 61? Não há um erro aí?

  2. Pingback: A Soja é o Diabo, mas não no bom sentido, parte 2 | Nuvem de giz

  3. Pingback: Darwin não comia pão integral | Nuvem de giz

  4. Pingback: O mito da fúria dos Esteroides – Testosterona | Nuvem de giz

  5. Pingback: Guerra aos Homens | O Cavalheiro Cafajeste

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s