Mulheres na ciência e a praga do politicamente correto

Recentemente fui chamado a atenção ao vídeo a seguir, onde um famoso cientista dá a resposta à pergunta “O que se passa com as garotas e a ciência?”. Tal resposta foi chamada de nada mais nada menos que sensacional, mas tal resposta foi somente uma evasão travestida:

0:42 Logo de cara, o famoso astrofísico Neil deGrasse Tyson já parte para uma falsa comparação entre a situação de discriminação sofrida pelos negros, do qual ele é exemplo, e as mulheres. Ocorre que isto ignora que as diferenças genéticas relevantes comprovadas entre negros e brancos são pouco relevantes (estes têm maior capacidade de produção de vitamina D, aqueles, maior resistência à radiação solar), ao passo que as diferenças genéticas entre homens e mulheres são diversas. A diferença mais clara e relevante é a da quantidade de testosterona livre, de 20 a 30 vezes maior nos homens(1). Este hormônio além de estimular a síntese de músculos e aumentar a libido, também ajuda em concentração, foco, determinação, e estabiliza o humor(2), e todas essas características são importantes em um cientista de alto nível.

0:58 O cientista aqui diz que há uma semelhança entre a discriminação que sofrem negros e mulheres, mas ignora, convenientemente que através de todo o mundo ocidental as mulheres têm privilégios legais, como por exemplo serviço militar obrigatório apenas para homens, vagões exclusivos para mulheres em transporte público, leis de pensão alimentícia e violência doméstica draconianas(3)

1:16 A coisa piora. Pelo minuto e pouco seguinte, Tyson completamente foge do assunto, e lança-se subrepticiamente a uma campanha de auto-engrandecimento, querendo mostrar o quanto ele é incrível por ter superado diversas barreiras para tornar-se o que é hoje. Mas ele ignora que qualquer pessoa disposta a se lançar em uma empreitada difícil e sem garantias irá enfrentar resistências por parte da “maioria das pessoas”. De fato, Tyson merece sim, muito apreço por tudo que ele fez, mas meu questionamento é quanto ao uso egocêntrico que ele deu de sua trajetória para desqualificar a pergunta em questão.

2:30 Ser um cientista não é coisa fácil. Vemos um exemplo claro aqui, de um astrofísico demonstrando a incapacidade de sequer considerar que existam diferenças genéticas relevantes entre homens e mulheres, e prefere atribuir a escassez de mulheres na ciência a uma suposta pressão social. Tyson diz que se pergunta o porque de pessoas como ele não chegaram aonde ele chegou, mas já vem com a resposta pronta, e tenta sutilmente desqualificar a questão tratada. O fato de um cientista mundialmente famoso cair nessa armadilha,só demonstra como fazer ciência é algo realmente difícil, que irá ainda mais vezes aqueles com baixa testosterona do que aqueles com alta.

2:44 Para terminar, uma anedota, que comprova que existe racismo, mas que só serve para ser um apelo emocional, terminando de encerrar o debate. Faltou ao eminente físico explicar como que alguém te confundir com um ladrão o impediria ou atrapalharia de se tornar cientista. De fato, para se tornar cientista não é necessária a aprovação sequer de universidades conceituadas, da sociedade, ou muito menos de um balconista aleatório de uma loja aleatória, mas tão somente uma mente dedicada a encontrar a verdade, conforme os exemplos de Tesla, Rothbard, Eratóstenes(4) e tantos outros demonstram. Uma pena que este cientista específico tenha deixado seus próprios preconceitos interferirem na busca pela verdade.

1.http://pt.wikipedia.org/wiki/Testosterona#cite_note-1

2.http://www.webmd.com/men/features/how-low-testosterone-affects-your-health

3.http://www.avoiceformen.com/mens-rights/domestic-violence-industry/when-a-girl-hits-you/

4.http://pt.wikipedia.org/wiki/Erat%C3%B3stenes

Anúncios
Esse post foi publicado em Política e marcado , , . Guardar link permanente.

2 respostas para Mulheres na ciência e a praga do politicamente correto

  1. Ele é um sujeito incrível, mas realmente foi infeliz na colocação dos exemplos. E quanto ao numero de mulheres na ciência é por pura falta de interesse delas.

  2. Pingback: Namore um barrigudinho, ou uma Ode à fraqueza e à preguiça | Nuvem de giz

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s